sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

No meu porão (4) - final .

Luke não demorou a aparecer, veio em minha direção e soltou um "eu não falei pra você esperar na enfermaria?"
- Eu já estava me sentindo melhor obrigada - eu bufei
- Me desculpe Clara, mas eu estava preocupado ! Tem certeza que não vai desmaiar de novo ? - ele ergueu uma sombrancelha e eu ri .
- Tenho Luke Mike . Não vou cair mais em cima de você - isso soou divertido para mim. Não para ele .
- Eu sei, eu sou horrivel, não devia ter nem ido falar com você - ele passava as mãos pelos cabelos morenos nervosamente.
- Não precisa ser dramático Luke, se não fosse por você, eu não sei o que seria de mim. - Eu sorri e ele me acompanhou.
E estava a ponto de falar de novo quando a Sra. Doods, a diretora, entrou e subiu em uma cadeira - como se fosse um palco e começou seu discurso .
- Queridos alunos e alunas da Mc fried high* - ela começou - devido a nevasca que caiu hoje, as aulas estão canceladas até semana que vem, ou até a época de neve passar.- alguem em algum lugar soltou um yes. - Os caminhões que tiram neve da rua devem estar chegando a qualquer momento para a retirada da neve que ficou parada, depois disso vocêis estarão liberados .
Todos a minha volta bateram palmas, e a senhora Doods desceu graciosamente - para uma pessoa da idade dela - da cadeira-palco.
Olhei para Chad me perguntando se ele não podia me dar uma carona, não estava nem um pouco afim de ter que andar a pé, na neve, e sem blusa nenhuma . Isso não ajudaria nada na minha enorme dor de gripe que eu tinha certeza que ia chegar .
- Você quer carona ou algo assim ? -e eu pulei de susto quando vi nada menos que Luke Mike atras de mim . Me oferecendo carona !
- Ham ... Não é caminho pra você não é ? - ele passou a mão pelos cabelos de um jeito que eu nunca tinha visto, estava otimo naquela blusa cor de azul-céu, que definitivamente realçavam seus olhos castanhos claros.
- Ham ... Não , não é . - ele olhou para os pés e depois nos meus olhos - mais é o minimo que eu posso fazer por você me deixar ver o porão ! - ele
concluiu e sorriu, um sorriso verdadeiro, que eu jamais tinha visto antes .
- Luke, eu que agradeço por você ter a chave, eu ia tentar arrombar ! - ele se assustou com essa afirmação .
- Nossa, grande seu amor pelas coisas não ? Arrombar uma coisa tão linda e delicada. - por um momento achei que ele estava falando de mim e não da porta,
mas isso não passava de bobeira da minha cabeça . - Tão encantadora e cativante - ele dizia enquando se aproximava cada vez mais de mim até parar a centimetros do meu rosto .
- Você não está falando da porta está ? - eu perguntei quase prendendo a respiração por ele estar tão perto.
- Você ainda duvida ? - ele sorriu e encostou seus labios nos meus .
Então de repente eu estava em um paraiso que se eu pudesse não sairia nunca . Infelizmente isso só durou alguns segundos.
- Clara,você está melhor ? - e me abraçou .
- Preferia seu beijo - eu bufei .
- O que ? - ele me olhou assustado mais depois de alguns segundos entendeu . - Se é isso que você quer . - e ele me levou - denovo - para o paraiso . - Não quero que pense que eu sou galinha . - ele dizia enquanto me abraçava e me beijava . - Eu acabei de terminar com a Natasha, você sabe, mas o que eu sinto por você não podia esperar nem mais um minuto . Faz tempo que isso está dentro de mim . E eu achei que você gostaria de saber . - seu sorriso era enigmático mas o olhar era sombrio .
- Achou certo . - eu disse antes de puxa-lo para mais um beijo .


-


Tudo bem, esse era o momento. O momento em que eu iria finalmente abrir o quarto do porão . Eu estava muito nervosa, não sabia o que teria lá dentro, só sabia que eram coisas da avó de Luke, ou devo dizer meu novo quase-namorado.
Luke tinha me dado carona até em casa, depois que nós fomos almoçar no Red Chillis. Ele tinha sido um verdadeiro cavalheiro, tinha puxado a cadeira para eu me sentar, e tinha aberto a porta do carro para voltarmos para casa. E agora nós estavamos na frente da porta do porão . Luke colocou a antiga chave na fechadura.
- Quer fazer as honras ? - ele olhou para mim .
- Abre logo isso - eu ri de nervoso .
- Ei, calma ! Você não está preocupada está ? Não vai desmaiar ? - ele ergueu uma sombrancelha e eu ri .
- Não não vou, e estou bem obrigada . - eu cruzei os braços .
- Você está nervosa, e não quer abrir a porta . - ele me olhou no fundo dos olhos, e ai, ah, quem mentiria ?
- Eu sou assim tão previsivel ? - ele riu .
- Vamos fazer assim, eu abro a porta e você promete não desmaiar tudo bem ? - um sorriso divertido apareceu nos seus lábios .
- Combinado chefia - eu respondi .
Luke riu girou a chave e abriu a porta .
Que dentro se revelou um antigo quartinho, com uma mesinha do meio, e uns armarios cheios que cartas e livros. Em cima da escrivaninha, havia uma foto, de um menininho do lado de uma menininha e seus avós .
- Quem é a menininha ? - Luke pulo de susto mais depois veio o me abraçou por tras .
- Você . - eu entrei em choque .
- Eu ? Como eu ? Eu não tinha amigos homens nessa idade, só o Larry, aquele cara estranho que não queria falar o nome, ele foi o primeiro cara de quem eu gostei ! E eu nem lembro da cara dele - eu disse .
- Sobre isso . - ele começou a passar a mão nos cabelos, que - como eu percebi - fazia sempre que estava nervoso . - Eu era o Larry, e você também foi o meu primeiro amor . Mas depois disso ou me mudei e só voltei quando já estava na sétima série. Por isso ninguem se lembrou de mim. - eu ainda tentava enteder aquilo. Luke era o Larry ? Nossa, muita coisa para um dia só não acham ? O porão , e o Larry ou Luke, seja lá como quizerem chamar .
- Você é o Larry ? - eu estava sem reação .
- Porque algum problema com isso ? - ele perguntou enquando chagava mais perto de mim - denovo .
- E porque isso seria um problema ? Eu estou no meu porão afinal . Ou devo dizer, nosso porão . - e foi o que eu disse antes que o Larry me beijasse denovo. E dessa vez foi mais real do que das outras vezes. Porque além de ser o meu melhor amigo de infancia e o cara mais lindo da minha escola, eu estava no meu porão. Ou nosso porão .

E esse foi o dia em que eu descobri que as vezes a curiosidade não mata o gato, apenas atira a primeira pedra para ele se assustar e andar para frente . Seja lá como você chama isso .
O que eu descobri foi que, as vezes a gente precisa ter corajem de tentar procurar o porão que há dentro de nós . Quem sabe o que você pode achar lá dentro ?
Eu achei o meu amigo da infancia e o meu novo namorado.
É, acho que você devia tentar.

* nome inventado de escola americana, minha criatividade não é muito boa, deu para ver, o mesmo serve para o nome do restaurante.

-

giirls *-*
acabeei *-* nossa, nem acredito, achei que ficou bom para alguem que só terminou uma história na vida - no caso essa - HAHA , anyway, me digam o que acharam . amei o comentário de vocês, amo todas aqui *-*
acho que é só ._.'

beijos&queijos&goiabadas&shantily&muuuitosLukeMikes HAHA :*

2 comentários:

ʍiiઽƬy૮ . disse...

Anna. Eu amei amei amei. Cara a história mais perfeita que eu já lii *.* Amei o fim, nunca teria sonhado com isso e foi muito muito lindo mesmo.
-futuraescritora lálálálá

Victoria*-* disse...

amei muito perfeito...